arraste para o lado para ver mais fotos
Antonio Lopes - Crônica 382: Feliz ano novo

Ao iniciar o ano novo, as esperanças se renovam em busca da felicidade. Mas o que é felicidade? Cada pessoa apresentará uma resposta própria, pois a felicidade, num certo sentido, é algo individual e intransferível. O sonho de ganhar na Mega Sena fervilhou em mais de 50 milhões de pessoas! O montante de dinheiro divulgado, acima de 280 milhões de reais, potencializou uma fantasia coletiva e estimulou a formação de grupos com apostas de valores altos, na esperança da sorte grande. Agora, o sonho desvaneceu e fica a realidade, com alguns reais a menos no bolso dos que participaram do jogo.

Será que a felicidade só se alcança com muito dinheiro? Será que são necessários milhões para ser feliz? Se apreciarmos o que temos: liberdade, saúde, o céu estrelado, o mar, a natureza, a vida ao nosso redor, talvez um amor, uma família, poderá ser isso a felicidade? É lógico que a situação financeira traz conforto e nos dá segurança, mas para alguns resulta em medo e potencialização do egoísmo afastando as coisas simples da vida e, com isso, vem a depressão.

Felicidade é um estado de plenitude, harmonia, satisfação, equilíbrio físico e mental que tem força para transformar os sofrimentos, a inquietação, as emoções, os sentimentos dolorosos e as mágoas em alegria e júbilo por conseguir ter a liberdade de ser o que somos, em nossa essência. É paz interior e bem-estar. Bastante complicado definir a felicidade como um padrão humano e que tipo de comportamento ou estilo de vida seria mais adequado.

O que se pode observar é que o ser humano está sempre em busca do prazer e, o que é prazer para alguns será bem diferente dos outros: portanto, a satisfação pessoal se completa de formas diferentes em cada indivíduo. De acordo com Freud, ao se alcançar um desejo passamos a querer mais e buscamos a satisfação da primeira experiência, que nunca será igual e, assim, se potencializam reações as mais variadas.

Podemos pensar que não há uma medida para a felicidade, que o estado de plenitude é encontrar o verdadeiro equilíbrio de ser quem cada um é e ter a sabedoria de que a vida é dinâmica, num eterno aprendizado. Viver em paz é aceitar o outro como ele é. É procurar reconhecer que cometemos muitos erros e todos erram.

Felicidades no Ano Novo é a renovação do que há de melhor em cada um de nós.




Crônica anterior          /          Página inicial          /          Crônica seguinte




Diversos Há 2 anos